5 dicas para evitar cair na malha fina com a ajuda do Certificado Digital

- Tempo de leitura: 7 minutos. Ouça o conteúdo!

Um dos maiores temores na hora de declarar o Imposto de Renda (IR) é cair na malha fina. E não é para menos! Qualquer erro na declaração pode causar enormes transtornos para o contribuinte, principalmente porque, na maioria das vezes, o contribuinte só fica sabendo do problema quando recebe uma notificação da Receita Federal.  

Segundo a própria Receita Federal, 869.302 declarações do Imposto de Renda 2021 caíram na malha fina. O número representa 2,4% do total de informes entregues ao órgão. 

Quando isso acontece, o melhor é agir rapidamente para corrigir a declaração e evitar maiores prejuízos. O problema é que o tempo dado pela Receita para essa correção é pouco, e muitos nem conseguem retificar o documento.  

Mas sabia que existe uma solução para te ajudar na resolução desse problema? É o Certificado Digital. 

Continue lendo este artigo e saiba o que é e como evitar situações embaraçosas, além da função do Certificado Digital nesse processo! 

O que significa cair na malha fina? 

Malha fina é o nome popular para Malha Fiscal da Declaração de Ajuste Anual da Pessoa Física, que nada mais é do que uma revisão do IR, na qual são verificadas e cruzadas as informações prestadas pelo contribuinte com outros elementos disponíveis nos sistemas da Receita Federal. 

O objetivo dessa revisão é fazer com que os contribuintes que erraram na hora de preencher a declaração do imposto retifiquem as informações prestadas o quanto antes. 

O fato de ser “pego” pela malha fina não significa ter cometido um ato ilícito ou mesmo criminoso. Na realidade, é muito comum acontecer esse tipo de problema sem que o indivíduo tenha a clara intenção de fraudar o Imposto de Renda. São tantos os dados que devem ser incluídos durante o processo que é fácil errar, não é mesmo? 

Vale dizer que esta revisão começa assim que a declaração é entregue. Em seguida, começa a fase de processamento do imposto de renda, quando ocorrem as verificações para identificar erros, omissões ou inconsistências das informações apresentadas e que, consequentemente, podem ser consideradas como infração à legislação tributária vigente.  

Como evitar cair em armadilhas: 5 dicas 

Para não cair na malha fina é muito importante fazer a declaração com antecedência e calma, além de sempre conferir com atenção todas as informações inseridas no sistema.  

Para facilitar ainda mais, separamos cinco dicas para te ajudar a não cair na rede da Receita. Confira! 

LEIA TAMBÉM | Você sabe como a gestão financeira e fiscal pode ajudar sua empresa?

Informe todos os rendimentos 

É primordial informar todos os rendimentos. Salário, pensão alimentícia, recebimento de doações, investimentos e aluguéis, entre outros devem obrigatoriamente ser declarados.  

Importante: se um dependente receber qualquer quantia durante o ano-calendário, esse valor também precisa ser informado.  

Despesas dedutíveis devem ser declaradas de forma correta 

As despesas relacionadas à saúde, educação e pensão alimentícia, por exemplo, são dedutíveis. Mas é preciso estar atento aos valores declarados para não ocorrerem divergências na base de dados da Receita Federal.  

Não deixe nada de fora  

Na parte de bens e direitos, não deixe de declarar itens que estão no nome do declarante ou de seus dependentes, não importando se estão localizados no Brasil ou no exterior, como automóveis, imóveis, contas bancárias, moedas virtuais, entre outros.  

Aqui também devem ser informados os bens financiados e que ainda não foram quitados. Cuidado na hora de atualizar o valor dos bens: não é permitido que sejam atualizados para o valor de mercado. O certo é informar o custo de aquisição, ou seja, o valor pago pelo bem e não o seu valor atual no mercado.  

Rendimentos isentos  

Rendimentos isentos, como, por exemplo, bolsa de estudos, herança ou doação, devem ter seus valores declarados, mesmo que não haja tributação sobre eles. 

Especifique os impostos recolhidos  

No caso dos contribuintes que utilizam o DARF para recolher mensalmente os impostos devidos, é necessário indicar os valores recolhidos na declaração do IR. O objetivo é comprovar à Receita que houve tributação sobre aqueles rendimentos.  

Qual o papel do Certificado Digital neste contexto? 

Para os escritórios contábeis o Certificado Digital pode ser um ótimo aliado na prevenção para que o cliente não caia na malha fina. Isso porque, com essa ferramenta, o contador pode consultar e acompanhar a situação da declaração do cliente em tempo real. 

Assim, se houver algum tipo de notificação, é possível acessar tudo por meio do portal da Receita Federal ou do próprio e-CAC, dispensando a necessidade de espera por qualquer correspondência.  

Mas é preciso que o cliente faça uma procuração digital, liberando os serviços de acompanhamento de declarações e certidões pelo sistema. Desse modo será muito mais fácil e rápida a identificação dos problemas que podem jogar na malha a declaração do Imposto de Renda e, assim, adotar as medidas cabíveis para evitar maiores problemas.  

Por fim, não poderíamos deixar de mencionar as principais vantagens de ter o Certificado Digital na hora de realizar as declarações IR de seus clientes: 

  • assinatura digital protegida por criptografia; 
  • validade jurídica; 
  • proteção contra fraudes; 
  • privacidade na troca de informações; 
  • proteção de documentos. 


Conclusão 

Cair na malha fina é algo evitável se as devidas ações forem realizadas com rapidez. O Certificado Digital é uma ferramenta indispensável nesse processo, garantindo o acompanhamento da declaração enviada em tempo real.  

A Soluti, empresa referência em Certificação Digital no mercado nacional, tem a solução ideal para contribuir com o seu escritório de contabilidade. Entre em contato conosco e saiba mais.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *