Certificado Digital SSL inválido ou não confiável: o que fazer?

O site da Receita Federal é um dos mais importantes domínios virtuais de acesso público no país. O seu acesso é permitido a pessoas físicas e jurídicas de todo o Brasil, de modo a ser possível a realização de diversas ações de natureza fiscal. Por essa razão, torna-se natural haver a preocupação com a segurança dessa plataforma.

Como qualquer site de alta procura, é comum que a página da Receita Federal eventualmente acuse erros de configuração, os quais, por sua vez, podem ser causados por diversos motivos. Mais recentemente, ao tentar acessá-lo, os usuários desse site vêm se deparando com a indicação de Certificado SSL inválido ou não confiável. Mas o que é isso e como esse problema pode ser resolvido?

Se essa é a sua situação, temos a solução ideal para você. Nesse post, vamos explicar o que aconteceu com o site da Receita Federal e de que forma é possível fazer a sua atualização manual. Além disso, mostraremos quais são as novas cadeias de Certificados Digitais SSL. Também vamos falar sobre como baixar as novas cadeias SSL e como atualizar o Google Chrome e o Internet Explorer. Confira agora mesmo!

1. O que ocorreu com o acesso ao site da Receita?

Este cenário tem se repetido para muitos usuários do site da Receita Federal tanto na condição de pessoa física quanto na de pessoa jurídica. Ao tentar acessar alguma das funcionalidades disponibilizadas pela plataforma virtual o usuário não consegue completar a ação, uma vez que a página acusa que o Certificado SSL é inválido ou não confiável. O que pode ter acontecido?

A ocorrência dessas dificuldades para acessar a página da Receita Federal pode estar diretamente associada a algumas mudanças que foram feitas no sistema operacional do site. Isso porque, recentemente, o Instituto Nacional de Tecnologia da Informação (ITI) implementou modificações na raiz dos Certificados Digitais, o que tende a causar incompatibilidade de acesso em diversos dispositivos computacionais.

A própria Receita Federal esclarece que está havendo uma substituição do seu Certificado Digital raiz. Antes do início da implementação, as Autoridades Certificadoras responsáveis eram a Serpro RFB e a Sepro RFP SSL, via estrutura ICP Brasil V.2. Com a troca, o Certificado Digital raiz passa para V.5., de modo que os serviços prestados digitalmente por esse órgão público serão, desde então, certificados por meio dessa nova organização de cadeias ICP Brasil.

Mas qual a relação entre a substituição do Certificado Digital e os problemas acusados no site da Receita Federal? De acordo com a instituição, trata-se de uma questão técnica. Uma vez que a nova raiz não vem automaticamente “carregada” em qualquer dos navegadores de internet, quando é feito o acesso em uma página cujo Certificado Digital pertence à raiz V.5., há a emissão de uma mensagem que indica que o Certificado não é confiável.

Depois que o usuário é avisado sobre a existência desse problema, a página da Receita Federal pergunta se ele quer confiar no Certificado Digital apontado como não confiável. Para evitar que essa mensagem persista, primeiro, o contribuinte deve verificar se está acessando a página a partir de um domínio da Receita Federal, se o site está em protocolo (barra de endereço) e se, normalmente na barra inferior do navegador, aparece a imagem de um cadeado fechado.

Após fazer essas checagens, é preciso, então, que seja instalado um novo Certificado, que tenha a devida validade e seja confiável, do ponto de vista da segurança de dados. Ao fazer essa atualização operacional, o usuário satisfaz às exigências de especificação da raiz dos Certificados Digitais tornando a página da Receita Federal, que costuma acessar em seus equipamentos eletrônicos, totalmente compatível a eles.

Como acabamos de mostrar, a mensagem de Certificado Digital SSL inválido ou não confiável emitida no site da Receita Federal nada mais é do que a indicação de que o contribuinte deve fazer uma atualização para que possa continuar utilizando as funcionalidades da página. Simples assim. Dessa forma, resta saber, como é possível fazer a atualização solicitada, não é mesmo?

A boa notícia é que mostramos para você como fazer essa atualização. Nos próximos tópicos, trazemos um passo a passo para que possa atualizar o Certificado de forma fácil, rápida e eficiente. Então, continue a leitura do post para que, daqui a pouco, esteja usando de novo todas as funcionalidades do site da Receita Federal. Vamos lá!

2. Como fazer a atualização manual?

Ainda que o problema de acesso ao site da Receita Federal não seja nada demais, a sua resolução demanda que o usuário tome algumas providências. Isso porque a atualização da nova versão da raiz não é executada de forma automática pelo próprio sítio do órgão no momento do acesso de computador. Dessa maneira, é necessário que o contribuinte atualize manualmente o seu Certificado.

Realizar a atualização manual significa fazer o download das novas versões das cadeias de Certificados Digitais e executá-las. Assim, o usuário deve encontrar as atualizações solicitadas na página do órgão e implementá-las em seu computador. Isso permite que o site da Receita Federal volte a funcionar normalmente.

No site da Receita Federal, são disponibilizados de forma gratuita os links para que o usuário possa fazer o download da nova versão e a sua consequente instalação. Mas, é preciso ter bastante atenção nessa etapa, uma vez que ao efetuá-la corretamente, as outras fases são completadas quase que automaticamente e a atualização é feita com sucesso e rapidez. Agora, vamos aos passos para fazer a atualização manual!

Passo 1 — Identificação da compatibilidade dos links

O primeiro passo para realizar a atualização manual requerida é identificar a compatibilidade dos links disponibilizados pela Receita Federal com a cadeia de Certificação do Certificado Digital utilizado no equipamento computacional que irá acessar o site. Isso permite a seleção correta das atualizações a serem baixadas.

Passo 2 — Seleção dos links apropriados

Na página do órgão, estão disponíveis os links para sete cadeias, que são ou do tipo raiz — duas delas — ou do tipo intermediário — as cinco restantes. A atualização manual depende da escolha apropriada entre as opções disponíveis, bem como do seu posterior download, armazenamento e execução no computador.

Passo 3 — Atenção ao navegador utilizado

Vale lembrar, no entanto, que cada navegador tem as suas especificidades quando se trata da instalação dessa nova versão das cadeias raiz e intermediária do site da Receita Federal. Por isso, vamos mostrar o que o usuário deve fazer para atualizar de modo adequado o Google Chrome e o Internet Explorer, de acordo com o navegador que utiliza em suas atividades virtuais.

Mas antes de tratar dos procedimentos para a atualização do Google Chrome e do Internet Explorer, nas próximas seções do post, vamos mostrar quais são as novas cadeias de Certificados Digitais SSL e como fazer o download de cada uma delas. Isso é essencial para que o passo a passo possa funcionar, de maneira que é preciso bastante atenção.

3. Quais são as novas cadeias de Certificados Digitais SSL?

Para começar, é necessário que se tenha em mente a natureza e as principais funcionalidades de uma cadeia de Certificado Digital SSL. Trata-se de uma ferramenta de alta tecnologia utilizada nos mecanismos de Certificação Digital, que, em termos gerais, opera na proteção de informações confidenciais que estão armazenadas ou trafegam de forma online.

Tecnicamente, a sigla SSL corresponde a Secure Socket Layer, que é um padrão internacional de segurança cuja finalidade é bloquear a interceptação e a leitura de dados que transitam na rede por usuários que não estejam autorizados. Portanto, essa tecnologia protege as informações inseridas em uma página de potenciais invasões indesejadas.

O Certificado SSL é extremamente seguro porque funciona de modo criptográfico. Ele cria um canal criptografado que percorre o caminho do navegador ao servidor web, o que impossibilita que criminosos virtuais decodifiquem qualquer mensagem transmitida via internet, como transferências bancárias, compras com cartões de crédito e e-mails.

Usar essa ferramenta computacional é essencial, pois, cada vez mais, a rede virtual é utilizada para o armazenamento e o envio de dados de alta confidencialidade. Além disso, muitas dessas informações envolvem transações financeiras, como no caso das atividades do e-commerce, o que exige proteção redobrada, a fim de evitar possíveis prejuízos para a empresa e para os seus clientes.

Com a expansão da prestação de serviços via web, a utilização do Certificado SSL cresceu de modo significativo nos últimos anos. Atualmente, empresas dos mais variados segmentos e tamanhos utilizam essa tecnologia, cujo valor de aquisição tem ficado cada vez mais acessível, principalmente se comparado às vantagens geradas com o seu uso.

Além da benéfica relação de custo-benefício que é propiciada pela adoção do Certificado SSL, essa tecnologia tem se mostrado um item de primeira necessidade no contexto mercadológico. Isso porque em um mundo corporativo caracterizado pelas atividades virtuais, ter segurança nas transações via rede é uma exigência básica para a competitividade de um negócio.

As cadeias de Certificados Digitais SSL atuam diretamente na operação de diversos formatos de Certificação Digital, como o Certificado Digital para empresas, também conhecido como Certificado Digital para pessoa jurídica. Ou seja, são elas que estão na base dos procedimentos técnicos especializados responsáveis por conferir segurança e autenticidade nas atividades virtuais de um usuário.

Por terem um papel tão importante nas operações feitas via internet e em razão do aprimoramento contínuo dos criminosos virtuais é que as cadeias de Certificados Digitais são constantemente analisadas por seus desenvolvedores. E, quando é detectada alguma necessidade, elas passam por modificações que, a depender da relevância, podem levar à criação de uma nova versão.

Essas novas versões também buscam estar de acordo com o desenvolvimento tecnológico de ponta, de forma que, à medida que são criadas tecnologias mais eficientes, as cadeias de Certificados Digitais passam por revisões e adequações. Tudo isso é feito para garantir a qualidade do produto — o Certificado Digital utilizado pelo cliente — e manter o usuário devidamente protegido.

É com base nessa perspectiva que foram criadas as novas cadeias de Certificados Digitais utilizadas pela Receita Federal cujos links para download, como já dissemos, podem ser encontrados e baixados no site desse órgão governamental. Dessa maneira, esses recursos tecnológicos foram aprimorados para conferir maior segurança os usuários dos Certificados Digitais.

As novas cadeias são mais seguras do que as anteriores, protegendo com maior eficiência os dados dos contribuintes que utilizam o site da Receita Federal. Assim, a mensagem de Certificado Digital não confiável indica que os Certificados antigos já não protegem tanto os usuários da página do órgão, tornando-se inválidos para os objetivos a que se propõem.

Tendo em vista a importância de aprimoramento dos Certificados Digitais, a seguir listamos as novas cadeias de acordo com os seus tipos:

  • Raiz — ICP-Brasil v2 e ICP-Brasil v5;
  • Intermediária — Autoridade Certificadora da Secretaria da Receita Federal v3, Autoridade Certificadora do SERPRORFB v4, Autoridade Certificadora SERPRORFBSSL, Autoridade Certificadora Secretaria da Receita Federal do Brasil v4 e Autoridade Certificadora SerproRFB v5.

No tópico a seguir, vamos mostrar como o usuário pode fazer o download das novas cadeias do SSL. Também indicamos alguns cuidados que ele deve ter durante os procedimentos, a fim de evitar erros no processo e, em consequência disso, não conseguir baixar as versões disponibilizadas e fazer as atualizações requeridas.

4. Como baixar as novas cadeias do SSL?

Passo 1 — Acesso ao site correto

O primeiro passo para baixar as novas cadeias do SSL é acessar o site da Receita Federal. O usuário deve prestar atenção se, de fato, está na página do órgão e não em um site que traz informações sobre ele, por exemplo. Isso é importante porque os links que serão acessados precisam ser confiáveis e seguros, garantia esta que só é conferida pela Receita Federal.

Passo 2 — Verificação da compatibilidade entre as cadeias

Em, seguida, é preciso identificar a compatibilidade entre a cadeia do Certificado que o usuário possui em seu computador e as novas cadeias utilizadas pelo órgão. Por isso, o contribuinte precisa saber ao certo qual o Certificado que utiliza em seu equipamento, uma vez que uma instalação incompatível vai gerar erro.

Deve haver coerência entre a escolha feita pela cadeia raiz e a cadeia intermediária que são compatíveis com o Certificado Digital instalado no computador. Isso quer dizer que, por exemplo, se o usuário baixar adequadamente a cadeia raiz, mas fizer o download equivocado da cadeia intermediária, o processo acusará erro e a atualização não será feita

Passo 3 — Identificação da necessidade de atualização do navegador

As opções de download que são fornecidas na página da Receita Federal correspondem as sete versões que enumeramos no tópico precedente. A forma de cada uma delas ser instalada está associada também à necessidade de atualização do navegador que o usuário normalmente utiliza para acessar o site da Receita Federal.

Passo 4 — Seleção do local de armazenamento dos downloads

Depois de o usuário acessar a página da Receita Federal, verificar a compatibilidade do seu Certificado Digital com as novas versões disponíveis no site do órgão e observar a necessidade de atualização do navegador — obviamente, atualizando o browser —, é necessário escolher o local de armazenamento dos downloads.

O usuário deve criar duas pastas na área de trabalho do seu dispositivo computacional a fim de evitar potenciais confusões na hora de salvar os arquivos. Essa ação é importante porque, caso as atualizações sejam executadas de modo invertido, isto é, uma cadeia no lugar da outra, o processo não dará certo e o site continuará a não funcionar adequadamente.

Nessa perspectiva, uma dessas pastas deve ser destinada para armazenar a cadeia raiz, enquanto, na outra, vão ficar as cadeias intermediárias. Após criar as pastas para cada uma das cadeias, é só clicar nos respectivos links compatíveis e iniciar o download. Quando os arquivos forem baixados completamente, o sistema será automaticamente atualizado.

Normalização do funcionamento

É importante salientar que o site da Receita funcionará normalmente após ser feita a devida instalação das novas versões, uma vez que, como já explicamos, é esse o problema acusado pelas mensagens de Certificado SSL inválido ou não confiável. Se isso acontecer, é muito provável que tenha ocorrido algum erro durante o processo de instalação das novas versões das cadeias.

Mas, o que fazer se isso acontecer? O mais indicado, caso o site da Receita Federal continue a não funcionar mesmo após a instalação das novas versões das cadeias, é desfazer as atualizações e repetir todo o processo. No entanto, nessa nova tentativa, é essencial que o usuário preste muita atenção nos procedimentos executados para verificar onde está o erro e, então, consertá-lo.

Se mesmo com a repetição dos procedimentos – agora corretos, o site da Receita Federal continuar emitindo as mensagens de erro, pode haver problemas técnicos de comunicação entre o site e o computador ou no próprio equipamento computacional. Caso isso ocorra, o usuário deve buscar suporte especializado para verificar e, consequentemente, resolver o problema operacional.

5. Como atualizar no Google Chrome?

Como mencionamos ao longo do post, a atualização das cadeias de Cerificados Digitais que é exigida pelo site da Receita Federal também está relacionada com o funcionamento do navegador utilizado pelo usuário. Dessa maneira, vamos mostrar de que forma fazer essa atualização usando o Google Chrome, um dos browsers mais populares no Brasil.

Passo 1 — Acesso ao link compatível

O primeiro procedimento para atualizar o Google Chrome é acessar o link de atualização compatível com o Certificado Digital instalado no computador, conforme explicamos no tópico anterior.

Passo 2 — Armazenamento do download

Em seguida, é preciso salvar o arquivo que será baixado por meio do link em um diretório específico. Sugerimos a criação de duas pastas na área de trabalho – uma para a cadeia raiz e outra para as cadeias intermediárias.

Passo 3 — Execução da atualização

Após salvar cada arquivo em uma pasta, é necessário clicar com o botão direito do mouse sobre ele. Automaticamente, essa ação irá gerar a opção de “instalar Certificado”, a qual o usuário deverá acessar. Depois, na janela “assistente para a importação de Certificados”, o usuário terá que clicar no botão “avançar”.

Passo 4 — Conclusão da Instalação

Em seguida, o usuário deverá escolher a opção “selecionar automaticamente o repositório de Certificados conforme o tipo de Certificado”. Para finalizar o processo de instalação, será necessário clicar em “avançar” e depois em “concluir”. Seguidas essas etapas, as novas versões já estão instaladas e o site pronto para ser usado.

6. Como atualizar no Internet Explorer?

Agora indicaremos como fazer a instalação utilizando o Internet Explorer, outro navegador bastante comum no Brasil. Uma diferença importante entre ele o Google Chrome é que enquanto naquele o processo de instalação dos dois tipos de cadeia ocorre de uma só vez, neste os procedimentos devem ser executados em duas grandes etapas.

No caso da Autoridade Certificadora raiz brasileira das cadeias v2 e v5, são necessários os seguintes passos:

Passo 1 — Armazenamento do arquivo

Primeiro, o usuário deve salvar o arquivo em um diretório, preferencialmente na área de trabalho, como já sugerimos.

Passo 2 — Instalação do arquivo

Depois, é preciso selecionar o arquivo salvo com o botão direito do mouse e clicar em “instalar Certificado” para “máquina local”.

Passo 3 — Seleção das funcionalidades e importação

Depois disso, o usuário deverá selecionar a opção “colocar todos os Certificados no repositório a seguir” e clicar em “procurar”. Em seguida, é necessário selecionar a opção “Autoridade de Certificação raiz confiáveis” e fazer as importações requeridas de forma a responder às confirmações de segurança solicitadas.

No caso das Autoridades Certificadoras de níveis intermediários da ICP Brasil, o processo é ainda mais simples.

Passo 1—- Armazenamento do arquivo

O primeiro passo é salvar o arquivo em um diretório – na área de trabalho, se possível.

Passo 2 — Instalação do arquivo

Em seguida, o usuário deve selecionar o arquivo salvo com o botão direito do mouse e escolher a opção “instalar Certificado” para “máquina local”.

Passo 4 — Importação

Feito isso, para finalizar o processo de instalação, basta proceder com a importação requerida respondendo às confirmações de segurança que vão sendo solicitadas. Após a conclusão dessas etapas, já é possível acessar normalmente o site da Receita Federal, de modo a usufruir de todas as suas funcionalidades.

Como mostramos no decorrer deste post, a mensagem de Certificado SSL inválido ou não confiável que vem sendo emitida pelo site da Receita Federal indica um problema muito mais simples do que, à primeira vista, pode parecer. A sua resolução não é nem um pouco complexa e, em geral, tende a ser alcançada pelo contribuinte de maneira rápida e com eficiência.

Para isso, basta que o usuário siga corretamente os passos que indicamos nos tópicos anteriores, de modo a cumprir todas as etapas explicitadas e efetuar os procedimentos necessários.

Essa praticidade é uma das tantas características vantajosas do Certificado Digital SSL, que traz segurança, agilidade e autenticidade para as operações feitas em meio virtual.

Que tal, então, conhecer um pouco mais sobre os benefícios do SSL? Leia o post Certificado SSL: entenda o que é esse protocolo de segurança e baixe nosso e-book.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *