Como diminuir o turnover nos hospitais? 5 dicas para gestores

- Tempo de leitura: 9 minutos.

Toda a empresa almeja reunir e reter uma equipe altamente qualificada por longos períodos, buscando obter os melhores profissionais do mercado de acordo com o perfil da organização. O mesmo ocorre em hospitais, onde o turnover acontece devido a diversos fatores.

Nesse cenário, a rotatividade pode gerar diversos problemas para o hospital, como impacto nas rotinas diárias e até mesmo o atendimento aos pacientes. Isso impacta de maneira direta a retenção de grandes talentos para a equipe e a captação de novos colaboradores de maneira geral. 

Portanto, para auxiliar na diminuição do turnover em hospitais, preparamos um conteúdo especial, explicando mais a fundo do que se trata esse problema, suas principais causas e algumas dicas para reduzi-lo. Veja a seguir e boa leitura.

O que é o turnover?

Conhecemos como “turnover” a taxa que calcula a rotatividade de colaboradores em um ambiente corporativo, a exemplo de um hospital. Essa média se torna muito importante para a estratégia de recrutamento e seleção, principalmente em relação a adaptação de mercado. Isso porque, ao não verificar as necessidades dos clientes, muitas empresas acabam se mantendo contrárias a esse cenário, causando grandes impactos na retenção de talentos.

Porém, é importante que a empresa tenha em mente que o turnover não é 100% evitável. O ideal é possuir uma taxa baixa, mostrando assim que a retenção e a capacitação dos profissionais está sendo alta. Portanto, de acordo com alguns estudos, o índice de rotatividade recomendado é de 5 a 10% por mês, variando de acordo com o porte da empresa.

Além disso, antes de realizar estratégias voltadas para a diminuição do turnover, é preciso entender qual a situação atual do hospital, analisando a concorrência e as principais tendências do mercado. Com isso em mente, podemos então identificar qual seria o índice de rotatividade ideal para a situação da organização, de acordo com todos os fatores analisados.

Principais causas do turnover

A rotatividade é caracterizada pelo desligamento do colaborador em relação a empresa contratante. Tal acontecimento pode ser causado por diferentes fatores, como a insatisfação da equipe, desmotivação, benefícios não oferecidos e diversos outros pontos particulares da instituição. Como apontamos anteriormente, é preciso entender quais são as causas do turnover de acordo com o cenário de atuação.

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Locomotiva apontou que o salário não é o principal fator decisivo na demissão de colaboradores, sendo o informado por 59% dos entrevistados. Sendo assim, oferecer grandes pagamentos, mas possuir baixos valores institucionais, pode impactar na retenção de talentos da organização.

Ainda de acordo com o informado pela maioria dos participantes da pesquisa, a falta de reconhecimento se tornou o principal motivo das demissões dos colaboradores. Portanto, 78% informou que receber feedbacks pode auxiliar no engajamento, enquanto 87% diz que premiações e serviços auxiliam na valorização e reconhecimento do profissional.

O turnover e a pandemia

Durante a pandemia da COVID-19, a estratégia de employee experience (experiência do trabalhador) de cada empresa necessitou de grandes mudanças, visando a adaptação do novo cenário de trabalho. Sendo assim, as empresas de diferentes setores tiveram de criar formas de engajar e reconhecer suas equipes, mantendo a produtividade dos colaboradores.

Já no cenário hospitalar, o estresse por conta da pandemia em escala global foi ainda mais impactante, principalmente para aqueles que atuaram na linha de frente no atendimento aos pacientes infectados pelo Coronavírus. Com isso, os hospitais necessitavam de novas estratégias para auxiliar no equilíbrio mental dos colaboradores, afinal, além do medo da contaminação, ocorriam diversas frustrações por conta das vidas perdidas.

Prejuízos causados pelo turnover

O turnover acaba gerando grandes impactos em uma empresa, principalmente financeiros. Isso ocorre por conta da grande quantidade de desligamentos e novas contratações de colaboradores de maneira constante durante o alto índice de rotatividade. Sendo assim, custos com FGTS, pagamento de férias, horas extras e demais acertos entram em conflito com os gastos para o treinamento de novas equipes, exames admissionais, demissionais e demais outros cuidados referentes à contratação e demissão.

Além disso, existe também o impacto do desligamento de um colaborador perante a equipe. Em caso de colegas próximos de trabalho, a demissão pode resultar na desmotivação dos outros profissionais, causando impacto na atuação do hospital. Podem ser eles impactos no atendimento ou até mesmo falta de atenção, que chegam a gerar problemas graves para a organização e seus pacientes.

Outro prejuízo decorrente do turnover é o “efeito dominó” da perda de funcionários e os danos a imagem da organização. Sendo assim, uma demissão pode influenciar outra, o que remete uma associação negativa em relação à contratação por parte do hospital, deixando de ser visto como uma excelente empresa empregadora.

5 dicas para diminuir o turnover nos hospitais

Após entender o que é o turnover e quais são seus principais fatores causadores, é preciso colocar em prática algumas estratégias para diminuir a rotatividade de profissionais no ambiente hospitalar. Confira a seguir algumas delas.

1. Capacitação da equipe

Investir na capacitação de colaboradores contribui para os bons resultados nos hospitais. Afinal, as chances aumentam de a equipe estar engajada para realizar seu trabalho, além de serem profissionais com vasto conhecimento sobre sua área de atuação. 

2. Eficiência nas tarefas

Por meio da inclusão de tecnologias no contexto das instituições de Saúde, as tarefas diárias ganham eficiência, assertividade e agilidade. Por sua vez, os profissionais contam com processos mais céleres e, assim, dedicam-se à sua vocação e não aos processos administrativos. Por exemplo, com o Prontuário Eletrônico do Paciente (PEP), o médico evita deslocamentos para transportar a ficha do paciente, consegue compartilhar o arquivo com outros profissionais e tem à disposição o histórico clínico do paciente.

3. Feedbacks

Para manter a equipe engajada e evitar erros recorrentes e futuros, os feedbacks se tornam fundamentais. Sendo assim, é preciso criar uma cultura dentro da organização, ensinando toda a equipe a receber e dar feedbacks ao longo de seu desenvolvimento profissional. Além disso, ao notar uma certa rotatividade em um setor específico, é preciso analisar a performance dos gestores, verificando qual o problema de retenção dos colaboradores.

4. Escalas de plantões

É importante que os hospitais realizem uma boa escala de plantões, evitando a sobrecarga da equipe. Além disso, causando um certo acúmulo de horas após o expediente, os pacientes poderão sentir esse impacto em seu atendimento. Para evitar esses problemas e a rotatividade de colaboradores insatisfeitos, é fundamental que haja uma organização em relação às escalas do hospital.

5. Ambiente de trabalho saudável

Para garantir o bem-estar dos colaboradores e, consequentemente, dos pacientes, é preciso criar um ambiente de trabalho saudável. Assim, você diminuirá o índice de insatisfação da equipe, reduzindo também a taxa de rotatividade dos funcionários. Portanto, é preciso estimular sua equipe e criar um ambiente harmonioso.

A eficiência da sua instituição é uma prioridade para você? Se a resposta for sim, confira:

Hospital eficiente: 5 processos para digitalizar em 2022

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *