Entenda o impacto da Cyber Security no Mercado Financeiro

- Tempo de leitura: 4 minutos.

Com o avanço da tecnologia nos últimos anos, o termo Cyber Security, também conhecido como Cibersegurança, se tornou um ponto de atenção em diversas áreas, incluindo o mercado financeiro. Esse sistema surge pela necessidade de proteger dados e garantir a defesa contra crimes cibernéticos que se tornaram usuais e verdadeiramente perigosos para empresas, organizações governamentais e cidadãos.

Segundo informações apuradas pelo relatório global da McAfee, The Hidden Costs of Cybercrime, no ano de 2020 as perdas financeiras com cibercrimes e os custos com a segurança virtual somaram um prejuízo de 1 trilhão de dólares.

Usando a tecnologia a seu favor, a cibersegurança traz dispositivos que deixam o ambiente virtual mais seguro para o usuário e para corporações, já que o meio digital também se tornou uma importante ferramenta de trabalho. 

O que é a Cyber Security?

A cibersegurança faz a proteção de ativos de informação contra ameaças cibernéticas, danos, ou roubos em sistemas, servidores, hardware e software. Existem vários níveis relacionados à segurança cibernética, eles englobam desde aplicativos até grandes redes

A partir de um conjunto de estratégias, o campo da cyber security é capaz de advertir, prevenir e defender os sistemas contra tentativas de ataques no meio digital.

O Brasil é um dos países que mais sofre com ameaças de ataques cibernéticos. De acordo com levantamento realizado pela empresa de segurança virtual, Fortinet, somente no ano de 2020, foram 8,4 bilhões de tentativas de crimes.

Em decorrência desse fator alarmante, contar com a cibersegurança se tornou vital para as empresas no geral e, consequentemente, para o mercado financeiro que lida com uma série de dados e informações.

Segurança no mercado financeiro

Sabendo da relevância da cyber security, o mercado financeiro precisa estar atento ao uso desse método. Um guia, realizado pela Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro (Anbima), aponta quais especificidades os programas escolhidos precisam seguir, para que consigam obter o resultado desejado.

A primeira etapa diz respeito ao chamado risk assessment, trata-se de um sistema que identifica e avalia riscos cibernéticos, além disso, é necessário pensar em programas que contenham ações de prevenção, proteção, monitoramento e testes. Medidas relacionadas a planos de resposta, reciclagem e revisão também são fundamentais.

Outra forma de garantir a segurança de dados é por meio da Certificação Digital, essa ferramenta permite que as transações realizadas no Sistema Financeiro Nacional (SFN) estejam ainda mais protegidas.

De modo complementar, para que as instituições financeiras integrem-se aos sistemas como Open Finance, SPB e CIP, são exigidos os Certificados Digitais. Saiba mais sobre o tema, acesse:

Integre-se à CIP e ao SPB

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *