Golpes do PIX: conheça os mais comuns e saiba como se proteger

- Tempo de leitura: 9 minutos.

Aproveite a comodidade de ouvir o conteúdo!

Se você acompanha os noticiários, certamente já deve ter lido ou ouvido falar sobre os golpes do PIX. De fato, nos últimos meses houve um aumento significativo nos relatos de pessoas que foram vítimas de cibercriminosos que utilizam o novo sistema de pagamentos e transferências para obter vantagens financeiras indevidas.

Segundo João Manoel Pinho de Mello, diretor da Organização do Sistema Financeiro e Resolução do Banco Central (BC), a cada 200 mil transferências com o Pix, uma tem indício de fraude.

Algumas características do PIX, como possibilidade de realizar transações rápidas e gratuitas a qualquer hora do dia, se tornaram verdadeiros atrativos para os golpistas. Isso porque as vítimas têm um tempo reduzido para perceber a cilada e solicitar o cancelamento da operação.

Ao mesmo tempo, os criminosos podem transferir os montantes obtidos ilegalmente com extrema agilidade, para diversas contas, difilcultando o rastreio e a recuperação dos valores.

A seguir, você poderá conhecer os principais golpes do PIX, bem como os cuidados que devem ser tomados para que você não seja a próxima vítima. Confira!

1. Golpe do link via SMS

Um dos golpes do PIX mais comuns consiste no recebimento de um SMS no qual a pessoa é alertada sobre um falso agendamento de pagamento via PIX. Na mensagem, os criminosos dão instruções para que a vítima clique em um link, caso não reconheça a transação.

Esse golpe é conhecido como ataque de phishing (pescar, em inglês) e tem como objetivo obter os dados bancários das vítimas.

Em geral, ao clicar no link, as pessoas são direcionadas para uma página web que aparante ser de um banco ou instituição financeira, onde são requeridas informações como agência, conta e senha.

Ao obter essas informações, os criminosos passam a ter passe livre para acessar a conta da vítima e realizar transferências para outras contas.

Como se proteger: A principal maneira de evitar golpes de phishing é nunca clicar em qualquer link que pareça suspeito.

Caso você queira se certificar se existem agendamentos em sua conta, acesse os canais oficiais, como o internet banking ou o app do seu banco.

LEIA TAMBÉM | Veja como o Certificado SSL atua na segurança do PIX

2. Clonagem de WhatsApp

Outra modalidade de golpe do PIX bem comum consiste na clonagem de contas de WhatsApp para solicitar transferências urgentes.

Funciona da seguinte forma: o cibercriminoso utiliza meios ilícitos para obter o código de verificação de uma conta oficial do WhatsApp. Em seguida, utilizando o número clonado, ele passa a solicitar aos contatos da vítima que realizem transferências urgentes para resolver algum problema.

Os criminosos podem dizer, por exemplo, que precisam realizar um pagamento urgente, mas que não estão conseguindo acessar o banco. Em seguida, perguntam se a possível vítima pode realizar uma transferência para ajudá-lo a resolver essa questão.

Por se tratar de um número conhecido, muitas vezes as vítimas acreditam que se trata de um pedido de favor de um amigo ou de uma pessoa confiável e acabam realizando a transferência para uma conta dos golpistas.

Como se proteger: Sempre que receber uma solicitação de favores envolvendo transferência de valores, adote procedimentos para verificar a identidade do solicitante.

Você pode, por exemplo, realizar uma videochamada para ver pessoa e confirmar a solicitação.

Para que seu número não seja clonado, é importante que você ative, no WhatsApp, a opção de autenticação em duas etapas. Assim, se tentarem acessar sua conta em outro dispositivo, será solicitado uma senha definida por você, o que dificulta a clonagem.

Além disso, é importante que você nunca informe o código de verificação de WhatsApp a ninguém, em nenhuma circunstãncia. Essa é uma informação que só interessa ao titular da conta.

3. Falsa central de atendimento

Dentre os golpes do PIX, esse talvez seja o mais fácil de ser identificado. Nessa modalidade, os criminosos entram em contato por ligação e se identificam como funcionários de um banco.

Em seguida, eles oferecem um falso suporte relacionado ao PIX, como cadastramento ou troca de chaves. Depois, solicitam que as vítimas façam uma transferência para determinada conta para confirmar se o procedimento foi concluído com sucesso, prometendo que o valor será estornado em seguida.

Como se proteger: Esse golpe é fácil de indentificar porque nenhum banco entra em contato para prestar serviços relacionados ao PIX, muito menos solicitam que sejam feitas transferências para contas de terceiros.

Portanto, sempre que você receber ligações solicitando qualquer tipo de ação relacionada ao PIX, tenha certeza de que se trata de um golpe.

4. Golpe do Bug do PIX

Esse é um dos golpes do PIX que induz os usuários a realizar transferências para obter vantagens financeiras.

Funciona da seguinte maneira: você pode receber uma mensagem por WhatsApp, SMS, e-mail ou em redes sociais alertando que o sistema do PIX possui um erro e que é possível obter o dobro do dinheiro transferido de forma rápida e segura.

Segundo a mensagem, basta que você realize uma transferência para alguma das chaves especificadas e, em questão de minutos, você receberá de volta o dobro do dinheiro.

No entanto, ao realizar o procedimento, as vítimas estão enviando dinheiro para os golpistas.

Como se proteger: Sempre desconfie de mensagens com métodos para ganhar dinheiro de forma rápida. Em especial, nunca realize transferência de valores para pessoas desconhecidas, a menos que o valor seja devido.

LEIA TAMBÉM | PIX Saque e PIX Troco: saiba tudo sobre as novas modalidades

Como o Banco Central está agindo para evitar os golpes do PIX?

Devido ao crescimento de golpes do PIX, o BC tem atuado para reduzir os riscos e tornar o sistema mais seguro. Dentre as medidas adotadas, vale destacar:

  • Imposição do limite de R$ 1.000,00 para a soma das operações de transferência no período noturno (das 20 horas às 6 horas);
  • Possibilidade de o cliente determinar limites para transações realizadas via PIX para os períodos diurno e noturno;
  • Oferta de funcionalidade para que os clientes possam definir contas que podem receber transações que excedam os limites pré-estabelecidos;
  • Estalecimento de um prazo de 24h para que alterações nas configurações do PIX surtam efeito;

Essas medidas visam, principalmente, combater o aumento dos sequestros-relâmpago. Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo, entre janeiro e julho deste ano, houve um aumento de 39,1%, dessa modalidade de crime, com 206 boletins de ocorrência.

Especialistas em segurança apontam o PIX como uma das causas desse aumento, visto que essa modalidade de pagamento permite o pagamento rápido de resgate, a qualquer hora do dia.

Com o estabelecimento de limites nas transações, é esperado que haja uma redução do interesse dos criminosos por esse tipo de crime.

Agora você já sabe mais sobre os principais golpes do PIX e como você pode se proteger. Quer se manter informado sobre esse e outros temas relacionados? Siga a Soluti nas redes sociais e não perca nenhuma atualização. Estamos no Facebook, Instagram, LinkedIn e YouTube!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *