Hospital analógico x Hospital digital: qual o custo de cada um?

- Tempo de leitura: 9 minutos.

O conceito de hospital digital vem ganhando força ano após ano. Afinal, a era digital está se tornando uma realidade a cada dia que passa, e a facilidade e aperfeiçoamento de processos decorrentes da adoção de sistemas tecnológicos, de fato, se mostram de grande valia para todos os envolvidos no setor.

Entretanto, é preciso ter em mente que, embora esse seja o futuro, atualmente, não é incomum vermos hospitais dando andamento a todos os seus processos à moda antiga, ou seja, de maneira analógica. Acontece que, essa realidade, além de prejudicar os pacientes devido a demora no atendimento, também pode trazer problemas sérios com relação a saúde financeira do hospital.

Em suma, procedimentos digitais já fazem parte do dia a dia de diversos segmentos, se mostrando extremamente eficazes e convenientes. No setor da Saúde, em razão do alto grau de dificuldade e importância que essa área exige, a busca pela otimização de processos precisa ser constante.

Nesse artigo, explicaremos o conceito de um hospital digital e de um hospital analógico, bem como todos os benefícios adquiridos ao se adotar sistemas integrados capazes de gerirem instituições hospitalares com o máximo de eficiência possível.

Hospital digital x Hospital analógico: qual a diferença?

Primeiramente, é preciso deixar claro que tanto um hospital digital, quanto um hospital analógico, não são um produto ou um tipo específico de empresa, e sim um conceito. Ou seja, as duas nomenclaturas se referem ao modus operandi das instituições. Dito isso, vamos às explicações para que você consiga ter um melhor entendimento com relação a ambas as ideias.

Hospital analógico

Conforme dito anteriormente, não se trata de uma empresa em específico, e sim do modo como os processos são realizados. Quando nos referimos aos hospitais analógicos, estamos falando de instituições que preferem dar andamento a todas as suas atividades sem a utilização de um software de gerenciamento completo, apto a intensificar e aprimorar todos os processos existentes.

Dessa forma, dentro desses hospitais, nos deparamos com laudos médicos sendo manuseados dentro de pastas físicas, o que por vezes, acaba comprometendo a estrutura e a conservação do documento com o passar do tempo. Nesse sentido, por mais que exista o SAME (Serviço de Arquivo Médico e Estatística) dentro dessas instituições, auxiliando no arquivamento e organização de todos esses prontuários, ainda assim, soluções digitais se fazem necessárias.

Outro ponto é que não existe um sistema integrado que faça o faturamento das despesas rapidamente, sendo preciso a comprovação de todos os procedimentos por meio documentação e faturas. Dessa forma, fica muito difícil saber o valor da nota no mesmo dia, ou seja, somente após a realização do faturamento que, por ser realizado de forma analógica, por vezes acaba gerando retrabalho.

Por fim, hospitais e consultórios médicos que não contam com um sistema de cadastro integrado, geralmente, elaboram a ficha de cada paciente e disponibilizam esse documento em caixas de acrílico na porta do consultório. Acontece que, muitas vezes, o próprio paciente fica incumbido de realizar essa tarefa, o que dificulta o controle e acaba gerando inconveniências.

Hospital digital

Uma instituição hospitalar que opta por realizar parte ou todas as suas tarefas de forma digital, na verdade, ela opta por otimizar toda sua rotina de trabalho, poupando tempo e recursos.

Dessa forma, em um hospital digital, os prontuários dos pacientes não são arquivados em pastas e guardados dentro de armários, ficando à mercê da ação do tempo. Ao invés disso, todos os laudos são digitalizados e organizados em pastas digitais, que por sua vez se encontram salvas na nuvem sem que haja o menor risco de deterioração.

A inserção de softwares digitais nas instituições hospitalares, auxilia fortemente na gestão do corpo clínico, uma vez que todos os dados e informações relacionados aos atendimentos ficarão disponíveis em uma mesma plataforma. Assim, além de facilitar a visualização das unidades que são mais rentáveis, existe a possibilidade de trazer políticas que apoiem a inclusão de mais médicos, o que poderá contribuir para uma melhor utilização de equipamentos e espaços ociosos.

Processo analógico ou digital: qual o custo de cada um?

A verdade é que, calcular os valores despendidos para manter um hospital analógico em pleno funcionamento, não é tarefa fácil, entretanto, é completamente possível afirmar que os custos para se manter um hospital digital são muito menores. Utilizamos como exemplo básico a utilização de papel em alta escala por essas instituições.

Segundo a ABCIS (Associação Brasileira CIO Saúde), 5 mil folhas de laudos médicos são geradas diariamente por um hospital geral com 100 leitos. Desse modo, esse valor multiplicado por 365 dias, atinge a impressionante marca de 1.800.000 folhas de papel por ano. Clinicas especializadas podem chegar ao dobro disso.

Além disso, sem a utilização de um software que produza dados quantitativos que mostrem de forma assertiva a maneira como os recursos estão sendo utilizados, fica complicado proceder com a provisão de melhorias nos setores que necessitam de reparos, o que acaba acarretando mais custos a curto e médio prazo.

Por outro lado, sistemas digitais possuem uma boa relação custo-benefício, por exemplo, o portfólio da Soluti gera uma economia média de 86% para as Instituições de Saúde.

Assim, a comodidade e a praticidade oferecidas por um hospital digital, tem efeitos positivos e imediatos em todos os departamentos. E, por falar em benefícios, no próximo tópico listaremos alguns deles para você entender o quanto vale a pena optar por sistemas digitais.

Benefícios ao optar por um hospital digital

Agilidade nos procedimentos de urgência

Sistemas digitais possibilitam o recebimento de alertas pelo corpo clínico com mais agilidade e precisão. Isso porque todas as informações estão integradas dentro de um único sistema, permitindo que elas sejam analisadas no prontuário e nos monitores de sinais vitais, otimizando assim qualquer procedimento de urgência.

Redução de custos

Conforme salientamos no tópico acima, os custos para se manter operações analógicas dentro de um hospital são altos, enquanto que o mesmo não acontece em uma organização digital. Vejamos o exemplo abaixo:

Ao dar início a utilização de softwares de gerenciamento, é possível reduzir gastos, por exemplo, com cirurgias canceladas de última hora. Uma vez que a rotatividade é examinada o tempo todo, a ocorrência de centros cirúrgicos parados é reduzida.

Segurança do paciente

Um ponto muito importante a ser comentado, é o fato da inteligência do sistema ser a grande responsável por toda checagem e liberação de medicamentos e prontuários, o que faz com que qualquer erro médico seja reduzido drasticamente.

Por fim, caso queira saber mais sobre soluções digitais para hospitais, conheça o portfólio da Soluti clicando aqui.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *