O que você precisa saber antes de abrir seu negócio próprio

- Tempo de leitura: 17 minutos.

Empreender, para muitas pessoas, sempre foi uma alternativa interessante para alcançar o sucesso profissional. Contudo, é sabido que abrir um negócio próprio é uma tarefa extremamente desafiadora que, além de perfil, conhecimento e muito esforço, exige estratégia.

Nesse meio, arriscar é necessário. Porém, mais do que uma dose de ousadia, é fundamental também manter os pés no chão, trabalhar de forma consciente e baseando suas decisões em dados e informações concretas. Isso certamente aumentará a probabilidade de sucesso da sua empresa.

Por isso, pensando em ajudá-lo nessa desafiadora missão que é abrir um negócio próprio, preparamos este artigo, no qual abordamos os principais pontos que você precisa saber para se tornar um empreendedor de sucesso. Continue a leitura e confira!

Administração de riscos

Independentemente do segmento em que se pretende atuar, os riscos são constantes na condução de uma empresa, seja na sua fase inicial, seja quando ela já está operando de forma sólida.

Desse modo, algo que o empreendedor precisa ter em mente é que é praticamente impossível prever e eliminar completamente todos os riscos envolvidos na atividade, muito embora seja possível gerenciá-los e minimizar potenciais danos.

Nesse sentido, uma das capacidades necessárias para se abrir um negócio próprio é a de administração de riscos. Essa habilidade envolve um grande conhecimento sobre seu negócio, seu público e sobre o mercado no qual se pretende atuar.

Isso porque, em muitos casos, a administração dos riscos está relacionada à capacidade de antecipá-los — o que só é possível quando se tem um conhecimento mais aprofundado sobre as variáveis que interferem e que podem vir a interferir nas operações da sua empresa.

Assim sendo, a recomendação é que você sempre busque aprofundar seu conhecimento acerca do negócio, do segmento, do consumidor, cenário econômico e concorrência. Ao identificar desafios e oportunidades, você certamente otimizará a gestão de riscos.

A orientação, aqui, é aprender não apenas com os erros próprios, mas principalmente com os erros de terceiros. O mercado, de forma geral, tem muito a ensinar sobre o que deve ou não ser feito. Sem dúvida, essa é a forma mais econômica e produtiva de se aprender e aprimorar seu negócio.

Conhecimento de mercado

A competitividade é um traço do mercado atual. Por isso, é indispensável agir com precisão, buscar diferenciais relevantes e identificar oportunidades de crescimento. No entanto, isso só será possível se você for um conhecedor do mercado em que pretende ingressar.

Como dito, esse conhecimento é o que proporciona condições de antecipar cenários de dificuldade ou mesmo boas oportunidades. Da mesma forma, conhecer o mercado é o que permite a sua empresa se posicionar de maneira ainda mais estratégica, explorando novos mercados, novas tendências e inovando no que for possível para se tornar mais relevante para seu público.

Para tanto, existem diferentes ferramentas que podem ajudar o empreendedor a conhecer melhor o mercado. Como exemplo, as pesquisas de mercado podem servir de norte para as decisões iniciais de um negócio próprio, alinhando sua atuação às demandas e necessidades do consumidor.

Além disso, é indispensável conhecer seus concorrentes, entender melhor seu produto/serviço, os motivos que levam o consumidor a procurá-lo e, ainda, a estrutura utilizada nas suas operações.

Pesquisa de mercado

Como citado, a pesquisa de mercado é uma ferramenta extremamente importante para quem deseja iniciar um negócio próprio. Na prática, é ela quem permite o desenvolvimento de um bom planejamento, bem como a coleta e análise de dados relacionados a um negócio.

O objetivo central desse tipo de pesquisa é gerar conhecimento sobre um mercado, principalmente, seu público. Com isso, busca-se identificar oportunidades e reduzir o risco na tomada de decisões estratégicas.

Ou seja, por meio da pesquisa é que você conseguirá expandir seus horizontes, entender como o mercado está operando, quais seus desafios e, também, quais oportunidades podem ser exploradas.

Hoje, em virtude da mudança nos hábitos de consumo e da dinâmica acelerada dos meios, novos mercados são criados a todo momento, assim como outros se enfraquecem diante da disrupção. Acompanhar e analisar toda essa dinâmica, sem dúvida, pode abrir portas e reduzir bastante os riscos de decisões equivocadas.

Como desenvolver uma boa pesquisa

Tradicionalmente, as pesquisas de mercado são realizadas com base em questionários. Hoje, ainda é muito comum utilizar o formato de entrevista pessoal para responder a esses questionários, embora já empregue bastante os meios online. Independentemente do meio adotado para a pesquisa, a elaboração de um estudo desse tipo exige alguns cuidados. Como exemplo, citamos:

  • definição do objetivo: os objetivos podem ser diversos, como definir a qualidade ou variedade de produtos, aumentar a competitividade dos preços, expandir as vendas e avaliar novos mercados;
  • público-alvo: é preciso definir para o alvo da pesquisa, se são fornecedores, leads, concorrentes, clientes etc.;
  • amostragem: é preciso ter uma estimativa de quantas pessoas precisam ser entrevistadas para se ter uma amostragem confiável;
  • roteiro: é a elaboração do questionário. Aqui são definidas as perguntas, tipo de abordagem, entre outros aspectos;
  • aplicação: realização da pesquisa e levantamento de dados;
  • análise: a etapa mais importante, pois é a responsável por gerar o panorama estatístico e os insights para as ações.

Apesar de ser um formato mais tradicional, esse tipo de pesquisa ainda é capaz de gerar resultados bastante satisfatórios. No entanto, com a evolução das tecnologias, hoje já existem ferramentas de marketing digital capazes de avaliar métricas e fornecer dados com ainda mais profundidade e precisão.

Planejamento estratégico

Outro passo fundamental para quem quer abrir seu próprio negócio é ter um planejamento estratégico. É preciso definir, de forma clara e objetiva, os caminhos a serem percorridos pela empresa e as ferramentas a serem utilizadas nesse percurso, especialmente em longo prazo.

Assim, embora seja necessário reagir às demandas diárias que surgem na gestão de um negócio próprio, é preciso abrir mão da filosofia de “apagar incêndios” e pensar no futuro da sua empresa — isso é planejamento estratégico.

Nesse sentido, definir metas, objetivos, posicionar a empresa no mercado e definir os indicadores mais importantes para mensurar os avanços estão entre os pilares de um bom planejamento estratégico.

Na prática, a falta de conhecimento sobre os diferenciais, fraquezas e oportunidades do mercado no qual sua empresa está inserida pode gerar enormes riscos, pois todas as ações se transformam em um jogo de tentativa e acerto, achismos e intuição — o que, como se sabe, não é nada recomendado em um mercado tão intransigente.

Um bom planejamento estratégico é composto por alguns elementos estratégicos. São eles:

  • diagnóstico do negócio: etapa em que se avalia a posição da empresa, suas necessidades, objetivos, potencialidades e fraquezas;
  • identidade organizacional: aqui, o foco se volta para a definição clara dos valores, missão e visão da empresa. Esses atributos darão contornos a forma com o negócio se apresenta no mercado e como é visto pelo consumidor;
  • metas e indicadores: um planejamento estratégico de qualidade precisa se apoiar em metas claras, desafiadoras e ao mesmo tempo factíveis. Por isso, mais do que definir onde e quando se pretende chegar, é necessário avaliar periodicamente essa trajetória a partir de indicadores;
  • plano de ação: o que materializa as etapas anteriores, criando um plano de atividades e seus respectivos responsáveis. Com base em um cronograma de execução, por exemplo, os resultados aparecerão à medida que ele é cumprido;
  • acompanhamento: o planejamento estratégico também depende de avaliação contínua. Para isso, é fundamental que reuniões sejam feitas e que todos os membros sejam capazes de opinar e contribuir para que o plano seja aprimorado e, mais do que isso, cumprido.

Plano de negócios

O plano de negócios também figura como uma ferramenta estratégica na hora de empreender. Esse é um documento em que se descreve, no papel, as principais características da empresa — do ponto de vista financeiro, operacional, fiscal e afins —, de modo a diminuir os riscos e incertezas.

O plano de negócios é útil tanto para quem quer abrir um negócio próprio quanto para quem está ampliando uma empresa já em funcionamento. Vale mencionar que esse planejamento não elimina os riscos envolvidos nas atividades da empresa, mas fortalece a administração deles e evita que erros sejam cometidos por falta de estudo, diminuindo as incertezas do seu negócio quanto ao futuro.

Na prática, você precisa ter consciência de que um bom plano é essencial para:

  • organizar as ideias ao abrir uma empresa;
  • apoiar a administração do negócio, seja a partir de dados e números, seja por meio de novas estratégias;
  • fortalecer a gestão comercial;
  • facilitar a comunicação entre sócios, funcionários, clientes, investidores, fornecedores e parceiros, pois traz um resumo claro do que é seu negócio e o que ele busca;
  • projetar cenários;
  • preparar a empresa para lidar com adversidades;
  • otimizar a captação de recursos financeiros e humanos, parcerias e investidores.

Como desenvolvê-lo

Para que seja efetivo e coerente, um plano de negócios precisa dispor de uma estrutura básica que elenque as principais informações da empresa. Entenda como estruturar esse importante documento:

  • sumário: é a parte inicial do plano, a qual contém dados como a descrição dos objetivos, missão, valores e visão, sócios, produtos, além de informações financeiras;
  • análise de mercado: esse é um dos pontos principais do plano de negócios. Nesse item, são inseridas informações a respeito do mercado, posição da empresa, concorrentes, oportunidades e desafios;
  • planejamento financeiro: aqui são descritas as informações financeiras do negócio, como faturamento, receitas e despesas. Esse item é fundamental para se demonstrar a viabilidade da empresa e angariar investimentos externos, por exemplo.

No mais, o plano de negócios também pode ir mais a fundo, detalhando outros elementos que se relacionam com a empresa, como:

  • público-alvo;
  • marketing;
  • estrutura societária;
  • portfólio de produtos e serviços, entre outros.

Marketing

Não há como falar em empreender sem citar a importância do marketing. Nesse ponto, tão importante quanto operar de forma eficiente, oferecer serviços e produtos de qualidade, é o cliente conhecer sua empresa e ter uma boa percepção sobre ela. Esse é um dos papéis do marketing.

Quem quer empreender deve ter em mente que é muito importante reservar uma parte do orçamento para ações e estratégias de marketing. É preciso fortalecer a imagem do negócio, prospectar clientes e transparecer todos os diferenciais e profissionalismo da empresa para seu público, a fim de reverter isso em vendas e faturamento.

Atualmente, os meios digitais têm ofertado aos pequenos negócios, principalmente, canais de interação democráticos, acessíveis e extremamente eficientes para o desenvolvimento do marketing.

Nesse sentido, redes sociais, blogs, links patrocinados, entre outras estratégias, podem ser adotados por sua empresa para desenvolver um marketing de forma mais econômica, segmentada e eficiente.

Gestão de pessoas

Por fim, destacamos a importância de você, empreendedor, ter uma atenção especial à gestão de pessoas da sua empresa. Isso porque os recursos humanos estão entre os ativos mais relevantes de uma organização, contribuindo diretamente para seu sucesso.

Nesse contexto, é válido buscar pessoas qualificadas, dotadas dos atributos pessoais e profissionais necessários para o funcionamento de um negócio próprio. Além disso, é imprescindível criar um ambiente interno rico e motivador, pautado na colaboração, em que todos os membros da equipe se sintam motivados e engajados com os objetivos da empresa.

Para tanto, implementar uma política de valorização, estabelecer uma comunicação humana e próxima, além de abrir espaço para que os funcionários participem das decisões da empresa, certamente pode fortalecer a gestão de pessoas.

Adequações jurídicas

A abertura de uma empresa é uma operação que gera uma série de implicações legais. A depender do ramo de atividade, presença ou não de sócios e porte do negócio, as disposições legais podem variar bastante.

Por esse motivo, antes de abrir um negócio próprio, é fundamental se aprofundar nas questões legais. É necessário compreender quais são seus deveres, obrigações e, também, como o procedimento de formalização deve ser realizado.

A adequação jurídica é um passo importante para atuar em conformidade com as leis. Além disso, é o que garante o correto enquadramento tributário, situação que impacta diretamente os custos da empresa, assim como a complexidade das atividades administrativas, como o cumprimento de obrigações fiscais e recolhimento de tributos.

Papel da tecnologia

Empreender é, sem dúvida, uma missão árdua. Porém, as coisas têm se tornado mais fáceis com o apoio da tecnologia. Nesse contexto, hoje, pequenos negócios têm possibilidade de imprimir uma gestão muito mais profissional e estratégica nas suas atividades. Softwares de gestão, por exemplo, dão suporte operacional, compilando dados e gerando insights valiosos para a tomada de decisão.

No mesmo sentido, tecnologias como a Certificação Digital também contribuem com a realidade dos novos e antigos negócios. Por exemplo, o Certificado Digital viabiliza a adoção do formato digital das atividades, reduzindo a demanda por papel, impressão e armazenamento físico de documentos — o que reduz bastante os custos e a burocracia.

O Certificado Digital também facilita a atuação em conformidade com a legislação, possibilitando o cumprimento de obrigações junto ao Fisco por meio da internet, de forma ágil e segura. No mais, essa tecnologia também elimina a necessidade de se recorrer aos cartórios na hora de autenticar documentos, já que o Certificado Digital faz isso com a mesma validade jurídica, de forma eletrônica.

Quando o assunto é Certificação Digital, a Soluti é uma das maiores referências no mercado brasileiro e pode ajudar você e sua empresa a inovar e aproveitar todos as possibilidades e diferenciais que o Certificado Digital é capaz de oferecer no contexto dos pequenos negócios.

Agora que você já sabe o que é preciso para iniciar seu negócio próprio, não pare por aqui. Aprofunde seus conhecimentos sobre gestão financeira. Preparamos um e-book completo para ajudar você. Baixe-o agora mesmo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *