Golpes virtuais na pandemia: como identificá-los e se proteger?

- Tempo de leitura: 10 minutos.

Não pode ler agora? Ouça a matéria clicando no player:

Em tempos de pandemia e isolamento social, a Internet se tornou uma das principais ferramentas de trabalho, estudo e lazer das pessoas. Segundo dados da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), o uso da Internet no Brasil teve um aumento entre 40% a 50% durante a quarentena.

Porém, junto dessa ampla utilização de serviços e ferramentas on-line, os golpes virtuais dispararam na pandemia. Assim, a Internet se tornou um ambiente mais propício à ação de cibercriminosos.

Diante dessa realidade, saber como identificar e como se proteger de atividades criminosas virtuais é essencial. Pensando nisso, preparamos este artigo para tratar do tema e ajudá-lo a se precaver da ameaça de criminosos. Acompanhe!

Como tem se dado o aumento de ataques durante a pandemia?

A maior oferta de informações e dados sensíveis na rede tem chamado ainda mais a atenção de cibercriminosos durante a pandemia. Entre os meses de março e abril, por exemplo, o número de casos criminosos efetuados em meio on-line avançou de 14 mil e atingiu o patamar de 105 mil registros — o que representa um aumento de 86,6%.

Apenas no mês de março, foram realizados mais de 20 milhões de acessos a links maliciosos em todo o país. Esses links, na maioria das vezes, direcionam o usuário para páginas falsas, as quais simulam sites de empresas e órgãos governamentais, com o objetivo de obter dados pessoais e bancários dos usuários — uma das estratégias mais comuns entre os criminosos virtuais.

No mesmo sentido, foi identificado um alto crescimento na busca de dados pessoais de brasileiros na chamada “dark web” (ambiente oculto da Internet que só é acessível por meio de softwares e configurações específicas), algo em torno de 108%, o que mostra o interesse dos criminosos por dados desse tipo.

Como os hackers estão aplicando golpes virtuais?

Apesar de os golpes virtuais serem basicamente os mesmos dos tempos de normalidade, mais pessoas acessando a rede e trocando informações, muitas vezes sem os cuidados necessários, fez com que os incidentes aumentassem de maneira significativa.

Os hackers, em muitos casos, estão explorando a fragilidade e ansiedade das pessoas na procura de informações, para aplicar diferentes modalidades de golpes. A seguir, listamos algumas das principais delas. Confira!

Páginas falsas

Embora não seja uma modalidade recente de golpe, as pessoas continuam sendo alvo desse tipo de ação criminosa. Muito disso, sem dúvida, se deve à sofisticação das fraudes, que utilizam páginas extremamente semelhantes às originais para enganar o usuário, fazendo-o acreditar que está em um site real e seguro, de uma empresa que confia, por exemplo.

Para ter uma ideia de como esse golpe tem sido explorado em tempos de pandemia, antes de o governo federal liberar o cadastro para a solicitação do “auxílio emergencial”, criminosos já haviam criado uma página falsa, com os mesmos elementos visuais de uma página oficial do governo para enganar o usuário.

Nesse site, era prometido o pagamento de valores entre R$ 200 e R$ 1200 reais. Como resultado dessa ação criminosa, ele recebeu mais de 11 milhões de acessos.

Clonagem de contas de aplicativos de mensagens

Outra modalidade comum de golpe virtual é clonagem de contas de aplicativos de mensagens. Nesse caso, os criminosos também exploram a fragilidade das pessoas enviando mensagens privadas se passando por agentes públicos. Em tais mensagens, temas como Covid-19 ou auxílio emergencial são bastante utilizados para iludir o usuário.

Ao longo da conversa, o criminoso afirma que um código será enviado para validar determinada transação, mas na verdade o código enviado é empregado para acessar o aplicativo de mensagens em outro dispositivo móvel.

O usuário, desatento, acaba passando o código ao criminoso que, então, toma o controle do aplicativo e seu conteúdo, podendo enviar mensagens em nome da vítima ou a extorquir. Somente em abril, mais de 364 mil brasileiros foram alvo desse tipo de golpe.

Phishing

Esse é certamente um dos golpes virtuais mais comuns da atualidade. Segundo dados da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), houve um incremento de 70% no número de phishings após a pandemia.

Nos ataques virtuais e phishing, o golpista envia mensagens com informações que chamam a atenção da vítima, como é o caso de mensagens falsas em nome de instituições de caridade ou que tratem de assuntos relacionados à pandemia, benefícios e serviços bancários.

Nos conteúdos enviados, é comum a solicitação para que o usuário acesse determinados links, os quais direcionam a vítima para páginas falsas de captura de dados ou instalam softwares maliciosos no dispositivo, viabilizando então o acesso a senhas e outras informações sensíveis.

Aqui, o meio mais explorado pelos criminosos é o tradicional SMS. Um levantamento aponta que das tentativas de phishing no Brasil, 73% foram feitas por meio do envio de SMS.

Como se proteger dos golpes virtuais?

Como foi possível perceber, os golpes aplicados pelos criminosos não foram inovados. Na realidade, apenas estão explorando as fragilidades do usuário de outras formas. Nesse momento, é preciso ter ainda mais atenção na utilização de serviços on-line, sobretudo quando dados pessoais são inseridos.

A seguir, reunimos algumas dicas simples que podem ajudá-lo a se proteger da ação de criminosos. Confira!

Confirme a autenticidade das instituições

No cenário atual de pandemia, surgiram muitas campanhas e instituições sem finalidades lucrativas, que estão se movimentando para arrecadar doações. Os hackers, percebendo que essa realidade também poderia ser explorada, estão aplicando golpes se passando por tais instituições de caridade.

Por essa razão, antes de fazer a sua doação, tenha o cuidado de constatar a autenticidade da instituição. Faça uma pesquisa rápida na Internet e em mídias sociais para ter acesso aos canais oficiais da entidade. Só acesse links e QR Codes compartilhados em meios confiáveis.

Não revele informações pessoais ou financeiras

A maior parte dos bancos adota uma política de comunicação com o cliente que não requer a solicitação de seus dados pessoais. Por isso, sempre que receber um e-mail, SMS ou mensagem instantânea em nome de instituições financeiras, as quais solicitem determinadas ações e dados, desconfie, pois há uma grande possibilidade de ser golpe.

Desconfie de propostas muito vantajosas

Diante das dificuldades que muitas pessoas estão passando em razão da pandemia, os criminosos estão utilizando esse fato para aplicar golpes. Em muitos casos, propostas extremamente vantajosas de crédito, serviços e benefícios assistenciais são feitas de forma fraudulenta para chamar a atenção da vítima e ganhar a sua confiança. Nessas horas, dados podem ser solicitados e até a antecipação de pagamentos por supostos serviços. A dica, aqui, é sempre desconfiar de propostas muito vantajosas, ainda que a situação vivida seja complexa.

Verifique se o site apresenta certificado de segurança SSL

Na Internet, ao acessar sites e fazer compras, tenha sempre o cuidado de verificar se está realmente navegando por ambientes seguros e realmente verdadeiros. Para isso, uma forma simples e bastante efetiva é confirmar a existência do Certificado SSL instalado na página.

Esse certificado é sinalizado ao usuário com um cadeado localizado à esquerda da barra de endereço. Você pode clicar nesse ícone e ler as informações do certificado, confirmando a autenticidade da página e se seus dados estão seguros nela.

Por fim, os golpes virtuais se tornaram uma realidade ainda mais comum na pandemia. Apesar das facilidades, oportunidades e vantagens oferecidas pela rede, esse meio ainda reserva uma série de riscos, especialmente para usuários mais desatentos e inexperientes. Por isso, redobre sua atenção ao fazer compras on-line ou compartilhar informações pessoais. Coloque as dicas listadas em prática e aproveite uma Internet segura.

Gostou deste artigo? Compartilhe-o nas suas redes sociais. Esse é um tema que interessa a muitas pessoas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *