O que é cidadania digital? Aprenda tudo neste post!

- Tempo de leitura: 20 minutos.

Não pode ler agora? Ouça a matéria clicando no player:

Estar o tempo todo conectado já faz parte da rotina da sociedade contemporânea. No entanto, o que muitos ainda não sabem é que a utilização da internet para trabalhar, fazer diversas transações online ou comunicar-se com amigos e familiares precisa estar em consonância com as normas da cidadania digital.

Atualmente, a utilização das ferramentas tecnológicas para pessoas jurídicas ou físicas é muito mais comum do que há algumas décadas. Assim, é preciso fomentar a consciência de que o uso desse recurso exige a adoção de condutas baseadas em direitos e deveres.

Sob essa perspectiva, é essencial conhecer os principais aspectos, características e desafios inerentes à cidadania digital. Para melhor compreensão do tema, abordaremos o que é, quais as funções e as principais estimativas com relação à cidadania digital. Acompanhe!

O que é cidadania digital

A cidadania digital estabelece as normas que regem as ações necessárias ao comportamento adequado em relação ao uso da tecnologia. A cada dia mais, é necessário incentivar a sociedade ao uso mais responsável dos recursos tecnológicos.

A adequada inserção no contexto da tecnologia faz com que a cultura digital se confirme como direito de todos os cidadãos. No entanto, essa questão não é tão simples assim. O fato de a cultura digital ser um direito adquirido torna-se uma grande responsabilidade.

Desse modo, é preciso respeitar os valores éticos que envolvem a liberdade digital e ter cuidado para que a utilização da internet represente benefícios e mais segurança aos usuários.

Logo, entender o conceito de cidadania digital é essencial para fomentar a conscientização das pessoas quanto ao uso responsável da internet. Para as empresas, o uso correto das ferramentas tecnológicas pode otimizar a experiência do cliente e fidelizá-los.

Abrangência da cidadania digital

Quando se fala em direitos e deveres conforme a legislação, também é preciso considerar um território sob o qual ele vigora. No mundo virtual, entretanto, a abrangência desse território pode assumir diferentes conotações que o torna bem diferente do conceito de espaço físico.

Além disso, esse tema admite certa complexidade, visto que a cidadania digital, no entanto, ainda está passando por uma fase de inclusão digital. Tal condição também está associada às questões de democratização da rede e dos processos ligados à evolução da TI.

Isso sugere a necessidade de entender que há, ainda, um grande caminho a ser percorrido. Pois, mesmo com a velocidade das mudanças resultantes pela revolução tecnológica, é preciso um grande passo geográfico até que alcancemos uma sociedade totalmente conectada.

Portanto, ainda que não tenham alcançado toda a expansão geográfica que almeja, as normas da cidadania digital estão diretamente relacionadas a diferentes questões no mundo virtual.

As mais importantes são:

Cidadania digital e orientação educacional

A cidadania digital envolve princípios e valores inerentes ao acesso consciente dos serviços de tecnologia. Em outras palavras, é preciso educar a sociedade para usar a internet com um senso de responsabilidade tal que promova o respeito mútuo.

Nesse contexto, o termo cidadania digital é comumente utilizado para descrever condutas de etiqueta em referência ao comportamento coletivo online. Atualmente, há um grande esforço por parte dos educadores e professores para ensinar as crianças sobre o significado e a importância da cidadania digital.

Isso objetiva prepará-las para uma futura sociedade, rica em tecnologia e capaz de desfrutar de vantagens sem prejudicar o espaço alheio. Logo, é preciso preparar a sociedade, a começar pelas crianças, para que compreendam as exigências impostas pelo avanço tecnológico.

Ou seja, para desfrutar dos benefícios da tecnologia é preciso ter consciência dos limites que envolvem a ética e a legislação quanto ao uso da internet com respeito e civilidade.

Sem dúvida, os recursos digitais resultantes do constante desenvolvimento tecnológico são ferramentas poderosíssimas. Tais ferramentas são úteis para aplicação nas mais diferentes práticas, quer sejam científicas, sociais ou culturais.

Igualmente importantes são as vantagens desses insumos na área da educação. São, pois, uma realidade tanto em relação ao emprego de métodos mais modernos de ensino, quanto à forma que se dá a aprendizagem, sobretudo no ensino a distância.

Aspectos da cidadania digital na área pedagógica

Existem vários aspectos relativos à cidadania digital que precisam ser trabalhados na área pedagógica, e por um viés multidisciplinar. Considerando a influência cada vez mais forte dos aparatos tecnológicos no comportamento humano, eles também norteiam diferentes campos educacionais.

Assim como na sociedade, essa influência está presente em disciplinas como História, Geografia, Ciências e Matemática, por exemplo. Entretanto, isso remete à responsabilidade — e complexidade — que envolve esse processo multidisciplinar, haja vista o papel transformador da Educação.

Por isso, é essencial que, desde as séries iniciais, a escola inclua em suas temáticas de ensino essas orientações quanto à utilização responsável das tecnologias.

Assim, no espaço educacional, as crianças precisam aprender sobre a importância desses recursos, suas principais vantagens e os riscos a eles associados. Esse é um modo eficaz para ensiná-las de que forma essas ferramentas podem ser usadas, a fim de que se tornem exímios cidadãos digitais.

O estímulo à prática da cidadania digital deve ter o mesmo peso que o ensino das disciplinas tradicionais. Ambos os conteúdos são indispensáveis à formação de indivíduos éticos e cientes da importância de observar os princípios relativos aos direitos humanos. E isso, em diferentes esferas da sociedade.

Todavia, em termos de cidadania digital, a orientação educacional não se restringe somente à educação formal. Mais do que isso: é também uma responsabilidade dos familiares do aluno.

Nessa perspectiva, pais e professores precisam exercer um trabalho conjunto, firme e contínuo. Priorizar, assim, a função social de ensinar, no presente, valores e condutas essenciais à construção de um futuro melhor, seja no espaço físico ou no virtual.

Cidadania digital e legislação

Quando nos referimos ao conceito de cidadania, inferimos, ao menos no aspecto geral, qual é a vertente básica defendida pela cidadania digital. Como vimos, a cidadania consiste no respeito, por parte de todo usuário da rede, dos direitos e deveres sociais, culturais e políticos presentes na constituição de um país.

Ao longo da história da humanidade, os aspectos ligados à legislação defenderam, desde os princípios do antigo Direito Romano, a premissa básica que associa direitos e deveres. Sinteticamente, eles se complementam, pois o exercício do primeiro implica o cumprimento do segundo.

Desse modo, a aplicação dos princípios de cidadania digital assegura a utilização apropriada e responsável de todos os recursos tecnológicos. Contextualmente, esse conceito se fundamenta em princípios que estimulam o exercício de direitos e o cumprimento de deveres — legalmente estabelecidos — para limitar ações abusivas no universo virtual.

Desse modo, para se tornar cidadão digital, o indivíduo usufruirá amplamente de seus direitos, mas deverá cumprir com os seus deveres quando praticar atividades em ambiente virtual. Assim, a atenção às normas da cidadania digital estimula a prática consciente do uso da internet, principalmente quando o usuário tem informação sobre o que não tem permissão para realizar.

Além de direcionarem as ações do cidadão digital quanto à legalidade de sua conduta, essas informações são fundamentais. Permitem, pois, a reflexão sobre outras questões igualmente importantes, como a exposição excessiva e a segurança no mundo virtual.

Assim como em outros países, no Brasil ainda não existe legislação específica para regulamentar todos os trâmites sobre as ações efetuadas no universo online. Tendo em vista que a disseminação em massa de novos insumos tecnológicos é um fenômeno recente, é necessário orientar os usuários sobre a forma adequada de utilizar a rede de forma segura.

Logo, os usuários precisam estar cientes de que existem inúmeras vantagens em se adequar às normas propostas pela cidadania digital, não somente pelo exercício dos direitos e deveres inerentes à atuação no ambiente virtual, mas também para usufruir das oportunidades proporcionadas pela tecnologia.

Novos elementos da cidadania digital

A facilidade do acesso digital sugere a necessidade de intensificar as políticas de proteção aos usuários. Por isso, entidades públicas e privadas estão investindo em estudos e na criação de novos recursos para proteger os direitos do cidadão no universo online.

Todas as pessoas têm direito ao acesso tecnológico, no entanto, a esse direito, estão implícitos alguns deveres e responsabilidades. Essa realidade envolve fatores comportamentais relacionados às mudanças resultantes do uso das tecnologias.

Listamos, aqui, os setores que mais experimentaram mudanças nas últimas décadas. Observe!

Etiqueta digital

A etiqueta digital está associada à postura do usuário da rede. Assim, ela determina os padrões que deverão ser seguidos para preservar os valores preconizados pela cidadania digital.

Em síntese, essas normas direcionam as condutas que cada usuário deve adotar a fim de limitar comportamentos duvidosos no meio virtual. Dessa forma, a etiqueta digital objetiva ensinar outras pessoas a tornarem o ambiente online mais saudável e pacífico.

Ou seja, por meio da etiqueta digital é possível motivar atitudes mais positivas e respeitosas nos nativos digitais responsáveis por essa nova sociedade, que se transforma a cada segundo.

E-commerce

Nos últimos anos, o comércio digital oferece as mais variadas opções de compra de bens e serviços. A cada dia mais, os consumidores são expostos a um turbilhão de possibilidades de negócios e oportunidades. Essa demanda aumenta, praticamente, na mesma velocidade que a evolução tecnológica.

Nessa conjectura, é preciso mais atenção aos riscos que envolvem o comércio digital. Fatores relacionados à segurança de dados e de informações, à falta de idoneidade na rede, assim como questões relativas à economia digital, não podem ser ignorados.

Comunicação digital

A mudança nos processos de comunicação é um dos aspectos mais relevantes desse tema, devido à rapidez na troca eletrônica de informação, um dos mais importantes benefícios da tecnologia.

O surgimento de novos insumos tecnológicos proporciona, a cada vez mais, uma ampla variedade de metodologias e de ferramentas distintas. Isso propicia novas formas de comunicação digital, facilita a rotina do usuário, como também abre novas oportunidades de negócios.

Literatura digital

Atualmente, a literatura digital tornou-se um dos temas mais discutidos entre os aspectos referentes à cidadania digital. Além de ter ampla relação com o conteúdo inserido na rede, a literatura influencia o processo de aprendizagem de muitos cidadãos sobre o modo de utilização da tecnologia.

Lei digital

A lei digital é transmitida, essencialmente, nos moldes da ética que rege a utilização da tecnologia pela coletividade. Questões sociais, culturais, políticas e de saúde também estão inseridas nesse contexto. É preciso fomentar a conscientização dos cidadãos ativos nas novas tecnologias quanto à responsabilidade pelos atos nela praticados.

Saúde e bem-estar digital

A intensa relação entre o uso excessivo de tecnologia e os malefícios à saúde tem sido abordada com muita frequência no Brasil e no mundo. No entanto, o novo estilo de vida contemporâneo estimula cada vez a excessiva utilização da tecnologia.

Segundo pesquisas recentes, o brasileiro costuma ficar mais de 9 horas por dia na internet. Essa média é considerada altíssima, haja vista o grande número de pessoas que ainda não tem acesso ao mundo virtual. Isso significa que muitos indivíduos — principalmente adolescentes e jovens —, passam a maior parte do dia conectados.

Por conseguinte, os efeitos desse hábito tornam-se extremamente nocivos à saúde, o que coloca em risco a qualidade de vida da sociedade. Um exemplo clássico são as questões ligadas ao sedentarismo, que concorrem para o aumento de doenças graves, como a obesidade, hipertensão arterial e diabetes.

6 dicas para aplicar a cidadania digital

Além de compreender o conceito de cidadania digital, também é muito importante conhecer as formas de utilizá-la em seu favor. Para tanto, confira as 6 dicas que selecionamos para você!

1. Tenha conhecimento sobre as ferramentas que utiliza

Um dos princípios essenciais para exercer a cidadania digital e desfrutar de seus benefícios é conhecer as ferramentas. Se você é ativo nas redes sociais, utiliza softwares, aplicativos de banco, e-mails e outros recursos de mensagens instantâneas precisa entender os benefícios e os riscos que cada um oferece.

2. Seja cauteloso com as informações que fornece

Por maiores que sejam as vantagens, o uso da internet deixa pistas que podem ser facilmente identificadas e seguidas por pessoas mal intencionadas. Dessa maneira, é importante que você tenha cuidado e proteja suas informações para evitar problemas futuros decorrentes do roubo de dados pessoais.

Isso pode ser garantido por meio do uso de senhas seguras, ou com a instalação de um bom antivírus para resguardar seus dispositivos eletrônicos das ameaças da internet.

3. Procure respeitar o espaço do outro

A popularização do uso das redes sociais, sobretudo as que permitem interação instantânea — como WhatsApp, Messenger, Telegram e Instagram —, modificaram o modo de interação social. Essa realidade faz com que a rápida integração entre os internautas tornem públicas as trocas de informações.

Todavia, é necessário ter cautela na hora de abordar alguém na rede ou se referir ao outro. Ter esse cuidado evita situações desconfortáveis, além de diminuir o risco de discussões e exposições alheias.

4. Tenha cautela com as informações recebidas

Um aspecto básico do mundo online é a grande probabilidade de os internautas repassarem informações de modo instantâneo, e com destino a diferentes pessoas. Isso tem um lado bom, mas, ao mesmo tempo, pode ser muito prejudicial.

O aspecto positivo é a facilidade de propagar informações úteis. No entanto, muitas informações que chegam, sobretudo por meio de hyperlink ou spam, podem conter vírus e danificar o equipamento.

5. Compartilhe somente conteúdos verídicos

Na atualidade, a divulgação de notícias falsas está se tornando cada vez mais comum. E não há maneira mais rápida de divulgá-las do que pela internet. Por isso, procure verificar a origem do conteúdo recebido e conferir a veracidade dele. Priorize isso sempre que que tiver a intenção de compartilhar algo com os seus contatos.

6. Reflita sobre as suas ações na rede

É essencial que a conduta do usuário no universo online seja bastante benéfica para ele e para os demais que utilizem a rede em conformidade com as normas éticas e preceitos legais. Por isso, convém refletir sobre a sua conduta na rede e repensar aspectos que, por via das dúvidas, podem colocar em risco a sua saúde.

Cidadania digital e segurança

O rápido avanço da tecnologia proporcionou incontáveis benefícios à sociedade. Entretanto, essas inovações também fizeram aumentar o risco de ataques cibernéticos, o que eleva a vulnerabilidade dos dados e informações sensíveis. Assim como no mundo real, onde existem pessoas mal-intencionadas, na internet também há perigos exponenciais e que exigem precauções.

No dia a dia, é comum buscarmos diversos tipos de proteção ou assumir mudanças comportamentais, com vistas à maior segurança. Geralmente, colocam-se fechaduras nas portas e janelas, instalam-se câmeras de segurança ligadas à polícia ou monitoradas por empresas desse ramo etc. Há, principalmente, o potencial cuidado para ter mais privacidade em relação aos desconhecidos.

De igual modo, também é preciso ter cuidados e se precaver no ambiente virtual. Não se deve ficar vulnerável aos riscos. E isso vale tanto para empresas quanto para as entidades públicas. Com a evolução progressiva da digitalização dos negócios, a ocorrência de crimes e golpes virtuais aumentou bastante.

Com isso, os tipos de crimes aos quais a sociedade está exposta são bastante variados. Assim como as pessoas físicas, as empresas necessitam buscar meios de se resguardar do roubo de informações sensíveis e que podem colocar em xeque a instabilidade do empreendimento.

Em um e-commerce, por exemplo, um dos critérios mais relevantes para o sucesso do negócio é primar pela segurança da informação. Com o aumento dos ciberataques, o comércio virtual tornou-se muito vulnerável à ação de invasores.

Nessa conjectura, quem trabalha no ramo de lojas virtuais deve se preocupar em proporcionar um ambiente mais seguro para os clientes e o uso do Certificado Digital SSL é essencial.

Um e-commerce com esse Certificado utiliza recursos criptográficos para estabelecer uma conexão segura entre os visitantes e os servidores web. Quando o site possui o Certificado SSL é possível visualizar a sigla “https://” na barra de endereços, além de um ícone de cadeado no canto superior esquerdo. É bem fácil para o consumidor saber se a loja virtual é segura ou não.

Afinal, os consumidores modernos não procuram apenas por produtos de seu interesse, mas valorizam também a segurança para fornecer seus dados bancários efetivar as compras.

Vale ressaltar que a “indústria do hacker” está cada vez mais preparada para burlar os sistemas de defesa e minar as suas chances de crescimento nos negócios. Logo, é preciso estar à frente dela.

Práticas como furto de senhas de cartões bancários ou dados pessoais e de cartão de crédito estão cada dia mais comuns. Infelizmente, os crimes dessa natureza reduzem consideravelmente a conversão de vendas online.

Para diminuir o impacto desse problema, a gestão precisa trabalhar com antivírus confiáveis, a fim de aumentar a segurança do e-commerce, fidelizar o cliente e maximizar o o faturamento.

Nessa perspectiva, convém investir em estratégias de segurança digital como softwares específicos, computação em nuvem ou o uso de Certificado Digital. Tais medidas exemplificam soluções para garantir a segurança na rede e evitar o roubo de informações sensíveis para finalidades ilegais.

Estimativas para o futuro

Ainda que não tenha atingido toda a expansão que almeja, o conceito de Cidadania Digital já está totalmente integrado a diferentes aspectos inerentes ao uso correto da tecnologia. Fatores relativos à segurança, privacidade, vendas online, etiqueta digital, legislação competente, saúde e uso digital, analfabetismo digital e métodos de comunicação são os mais importantes nesse processo.

Entre as principais estimativas da cidadania digital para o futuro, pode-se pensar na intensificação do uso das ferramentas tecnológicas já utilizadas hoje. Há um destaque maior para os pontos mais vulneráveis como a busca cada vez maior por medidas de segurança na internet.

Com a velocidade do desenvolvimento tecnológico, principalmente na área da inteligência artificial, a ampliação dos recursos de TI favorecem diferentes campos e diversas finalidades. Para que a coletividade desfrute, de forma plena, dos benefícios dessas tecnologias, exercício da cidadania digital é essencial.

Percebe-se, por fim, que assim como há necessidade de se proteger na vida real, é igualmente relevante buscar formas de se resguardar e garantir a privacidade no meio virtual. Todos ainda estão sujeitos aos riscos que, infelizmente, a internet, ou nem mesmo a legislação vigente pode controlar.

Logo, o conceito de cidadania digital veio ampliar a discussão sobre a premente necessidade de incentivar a obediência aos aspectos éticos inerentes a essa questão. Principalmente quanto à importância do uso consciente dos recursos tecnológicos, e do usufruto de seus benefícios.

Gostou deste artigo? Então, não perca tempo: assine a nossa newsletter e receba conteúdos exclusivos diretamente em seu e-mail!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *