5 erros que você não deve cometer ao abrir uma empresa

O Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) divulgou uma pesquisa que reflete uma realidade bastante alarmante sobre a taxa de sobrevivência de empresas no Brasil. Segundo o estudo, abrir uma empresa por aqui é uma tarefa altamente desafiadora, já que um em cada quatro negócios encerram suas atividades antes de completar 2 anos.

É certo que diversos são os motivos que contribuem para essa estatística negativa. As oscilações políticas e econômicas do país, a burocracia existente no processo de abertura e a regularização de um negócio, por exemplo, pesam diretamente sobre o potencial das empresas em se firmar no mercado.

Contudo, embora o cenário externo também seja determinante para o sucesso de um empreendimento, um dos maiores motivadores do insucesso das empresas é o cometimento de erros, especialmente na fase inicial, em que o negócio está mais frágil. A falta de planejamento, de organização financeira, de ações de marketing mais estratégicas e de uma atuação mais alinhada com as tendências da era digital são alguns dos pontos negativos que jogam contra o empreendedor.

Por isso, para evitar que você incorra em erros ao iniciar seu negócio, listamos 5 deles aos quais você precisa estar mais atento. Confira!

1. Não ter um bom plano de negócios

Um dos erros mais comuns do empreendedor é abrir uma empresa sem um plano de negócios consistente, deixando o empreendimento sem um rumo certo a ser tomado. O plano de negócios não é só um documento técnico e burocrático para a empresa, ele é o responsável por materializar grande parte dos objetivos e metas do empreendimento, garantindo ainda mais solidez durante a fase inicial.

Nesse plano, não é preciso descrever exatamente todos os objetivos do negócio, mas é preciso deixar claro quais são as metas de curto, médio e longo prazo. Além disso, é fundamental descrever alguns aspectos relacionados às finanças, como custos, despesas fixas e variáveis, investimentos e outros atributos que auxiliem o empresário a entender sobre a viabilidade das suas estratégias.

2. Não controlar o fluxo de caixa da empresa

Outro erro crasso do novo empresário é não ter um controle sistemático do fluxo de caixa da empresa. Esse é, sem dúvida, um dos erros mais prejudiciais para a continuidade da empresa, já que pode gerar graves lacunas no orçamento, chegando ao ponto de se inviabilizar o negócio.

Como estamos falando de uma empresa em estágio inicial, controlar as finanças é ainda mais importante. O orçamento mais apertado não oferece muita margem para erros, o que torna o seu cometimento mais danoso.

Nesse ponto, é essencial documentar todas as movimentações comerciais e bancárias, seja com clientes ou fornecedores. É preciso saber exatamente tudo que entra e sai do caixa da empresa.

Hoje, a tecnologia já oferece soluções automatizadas para executar esse tipo de controle. Softwares assumem a conciliação bancária, além de integrar diferentes setores do negócio, garantindo mais visibilidade sobre o seu fluxo de caixa. Investir nesse tipo de recurso desde o início pode evitar muita dor de cabeça.

3. Não se atentar à legislação

Uma das maiores dificuldades do empreendedor é acompanhar todas as nuances da legislação interna. Independentemente de ser em âmbito fiscal, tributário ou trabalhista, a legislação brasileira é bastante vasta e complexa, o que faz com que atuar em conformidade com toda ela seja um grande desafio.

O governo, em suas diferentes esferas, constantemente busca simplificar as normas e obrigação delas decorrentes. O Simples Nacional é um exemplo disso. No entanto, ainda existe um longo caminho a ser percorrido até que a burocracia seja totalmente eliminada.

Na prática, o não atendimento às normas, ou o cumprimento parcial delas, pode acarretar uma série de problemas para a empresa. Inicialmente, há de se considerar que o negócio pode ficar com dívidas em aberto junto ao Fisco. Em razão disso, juros, multas e outras penalidades podem incidir, prejudicando o já enxuto orçamento da empresa.

Além disso, o não acompanhamento e entendimento da legislação podem gerar pagamentos indevidos de tributos, especialmente quando a empresa não é enquadrada corretamente no regime tributário. Por isso, contar com o apoio de profissionais especializados nessa área, como o contador, é fundamental, pois garante não só o atendimento às normas, mas também a elisão fiscal — prática que reduz a carga tributária do negócio, permitindo que o orçamento seja investido em outras atividades.

4. Não avaliar o mercado

Quem pretende abrir uma empresa precisa ter plena convicção de que entrará no mercado para competir. Logo, é fundamental ter diferenciais e atrativos que façam com que o cliente prefira utilizar os serviços/produtos da sua empresa.

Nesse sentido, uma das ações mais importantes é analisar o mercado. Embora seja fundamental, muitos empreendedores negligenciam essa etapa, ingressando nele de forma deliberada, sem saber como se posicionar diante do consumidor.

O ideal, nesse ponto, é buscar entender quem são os concorrentes diretos, como eles atuam, quais seus diferenciais e qual a sua política de preços. Com base nisso, é possível traçar estratégias para atender um público diferente, oferecer serviços exclusivos e atuar de forma competitiva.

Vale mencionar que essa análise é um dos pilares do plano de negócios, o qual já citamos anteriormente. É com base nessa avaliação que você pode obter dados sobre:

  • o segmento que pretende atuar;
  • tendências e o contexto econômico desse mercado;
  • perfil do público-alvo;
  • fornecedores;
  • profissionais.

Ou seja, elementos básicos e indispensáveis para dar o pontapé inicial em um empreendimento, mas de forma muito mais precisa.

5. Não investir em tecnologia e inovação

Muitos empreendedores acreditam que investimentos em tecnologia e inovação é coisa de grandes empresas — o que é um grave equívoco. Hoje, com a difusão da tecnologia e fortalecimento dos meios digitais, a tecnologia não só está a serviço, mas ao alcance de todos.

Quem pretende ingressar no mercado precisa se atentar às tendências tecnológicas e investir em novas soluções e recursos capazes de otimizar a rotina do negócio, tornando-a mais eficiente, econômica e produtiva.

Na era da informação, não se deve mais perder tempo e dinheiro com a utilização de processos manuais, lentos e burocráticos. O uso do papel está em declínio, assim como os modelos tradicionais de documentos impressos e transações presenciais.

Atualmente, plataformas de comunicação ajudam empresas e profissionais a fechar contratos, assinar documentos eletronicamente e atender clientes de forma extremamente segura e confiável. Ferramentas como Certificado Digital otimizam essas tarefas, além de permitir o cumprimento ágil e moderno de obrigações perante o Fisco, tudo de forma online.

Nesse contexto, é um grande erro não seguir pelo caminho da inovação, investindo em novas alternativas para tornar a sua empresa mais dinâmica, atualizada e eficiente, tanto interna, quanto externamente.

Por fim, abrir empresa é, sem dúvida, uma missão desafiadora. Além de todos os processos e atividades que já fazem parte do próprio core do negócio, existem diversas variáveis que o empreendedor deve dominar para não fazer parte das estatísticas negativas do empreendedorismo. Por isso, evitar os erros listados neste artigo é essencial. Agora é com você!

Então, gostou deste conteúdo? Assine nossa newsletter e receba mais conteúdos como esse direto em seu e-mail.


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *